Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
25 ABR 2024

Imagem do dia

8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Criança e Adolescente

Apenas dois Estados bateram a meta no ensino médio público

terça-feira, 4 de setembro de 2018

Criança e Adolescente

Apenas dois Estados bateram a meta no ensino médio público

Só dois Estados brasileiros - Goiás e Pernambuco - atingiram as metas de aprendizagem e aprovação no ensino médio público em 2017, mostra o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado ontem pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep).
jornada de 40 horas para escolasCrédito: Divulgação

O indicador nacional ficou parado em 3,5 entre 2015 e 2017, distante da projeção de 4,4. A escala do Ideb vai até 10, sendo que 6 é o patamar considerado ideal, equivalente à nota dos brasileiros mais bem classificados no Programa Internacional de Avaliação de Alunos (Pisa). Esse grupo, porém, estaria apenas dentro da média da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico (OCDE).

O Ideb é composto por duas variáveis, uma de desempenho, já divulgada na semana passada por meio do Sistema Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Saeb), e outra que contempla as taxas de aprovação, reprovação e abandono escolar dos alunos. Por incluir duas óticas, o índice pode subir apenas por maior aprovação, e não, necessariamente, por nota melhor.

Neste ano, o Ideb também passou a ser aplicado em todas as escolas de ensino médio público, o que permite recortes não vistos quando a avaliação era amostral. De acordo com o Inep, quase metade das escolas brasileiras possui desempenho intermediário, entre 3,2 a 4,1. Entre as regiões brasileiras, é forte a disparidade de resultados: no Norte e Nordeste, cerca de um terço das escolas estão no limite inferior de desempenho, com nota até 3,1.

Quatro Estados possuem as maiores proporções de escolas com Ideb igual ou superior a 4,2: Espírito Santo (60,3%), Goiás (56,9%), São Paulo (48,0%) e Pernambuco (46,1%). São justamente os três Estados, com exceção de São Paulo, que ocupam as três primeiras posições no ensino dessa etapa.

Com adição do setor privado no cálculo, o Ideb nacional do ensino médio sobe pela primeira vez depois de três edições, de 3,7 para 3,8, mas ainda longe do esperado (4,7). A rede privada registrou, sozinha, um Ideb de 5,8 em 2017, 0,5 ponto acima do desempenho na avaliação anterior e 2,3 pontos maior que o setor público. Ainda assim, as escolas particulares deveriam ter uma nota de 6,7 a essa altura.

O cumprimento das metas no ensino médio público também vem declinando desde 2009, também por efeito colateral de nível maior de exigência. Naquele ano, 24 unidades da federação bateram a meta estipulada, número que recuou para 21 em 2011, 7 em 2013, 4 em 2015 e, finalmente, 2 em 2017.

Na abertura dos Estados, o Ideb mostrou evolução em 19 deles, embora o avanço não tenha sido suficiente para atingir as metas estabelecidas pelo Inep. Além disso, redes com grande número de alunos, como São Paulo e Rio de Janeiro, tiveram piora na avaliação, o que contribuiu para deixar a média brasileira estagnada.

Os dados do Ideb confirmam o cenário mostrado na semana passada pela divulgação das avaliações de matemática e português. Nos anos iniciais do ensino fundamental público, a média brasileira do Ideb foi de 5,5 em 2017, superior à meta de 5,2 e 5,3 em 2015. Os Estados do Amapá, Sergipe, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul não chegaram aos resultado esperados.

Nas redes municipais, que concentram 83% das matrículas deste ciclo, a meta foi atingida em 69,9% das localidades. No Ceará, apenas um município não chegou ao desempenho projetado, o que confere ao Estado um índice de 99,5% de cumprimento das metas. Na outra ponta, apenas 18,8% da rede do Amapá bateu as metas. Também chama a atenção o desempenho do Rio de Janeiro, com índice de 36%, bem abaixo da média de 78,9% do Sudeste, a região com melhor desempenho no Brasil.

Na passagem para os anos finais do fundamental, o Ideb tem resultados mais tímidos: a média foi de 4,4 no 9º ano, ante uma meta de 4,7, mas acima da avaliação em 2015 (4,2). Apenas nove Estados conseguiram atingir a meta para o ano passado.

Desde a semana passada, a decisão do Ministério da Educação (MEC) de ajustar a escala das proficiências tem dividido os analistas. As subdivisões passaram de quatro (abaixo do básico, básico, proficiente e avançado) para três (insuficiente, básico e adequado). Na prática, isso leva a um diagnóstico de que a situação da educação é pior do que de fato é, afirmam especialistas.

O Inep diz, por exemplo, que 4,5% dos alunos de ensino médio têm nível adequado de aprendizagem em matemática. Já pela escala considerada pelo movimento Todos pela Educação, o percentual seria de 9%.

No fim de semana, o ex-presidente do Inep e integrante do Conselho Nacional de Educação (CNE), José Francisco Soares, criticou a alteração. "Na realidade, não ocorreu nenhum desastre educacional nos últimos dois anos, mas apenas a introdução de uma forma equivocada de sintetizar os dados da Prova Brasil [Saeb]", escreveu em artigo.

"A decisão foi tomada por um grupo de especialistas, que pela primeira vez fez uma readequação na escala", diz, em nota, o MEC, para quem não é possível aceitar como adequada uma nota média em que boa parte dos alunos se enquadre em níveis baixíssimos de aprendizagem.

Para Andressa Pellanda, coordenadora da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, a discussão é secundária e não muda o cenário ruim da educação brasileira. "O Ideb mostra que as desigualdades regionais permanecem como resultado da baixa qualidade das nossas políticas educacionais", afirma.

Fonte: Valor Econômica

Últimas de Criança e Adolescente

Todas de Criança e Adolescente
Justiça do Rio condena posto de combustíveis a pagar aos funcionários as perdas de planos econômicos
Força 17 MAI 2024

Justiça do Rio condena posto de combustíveis a pagar aos funcionários as perdas de planos econômicos

Pirelli: metalúrgicos aprovam acordo com PLR de R$ 20 mil
Força 17 MAI 2024

Pirelli: metalúrgicos aprovam acordo com PLR de R$ 20 mil

Metalúrgicos da Renault/Horse dão 72hs para retomar negociações
Força 17 MAI 2024

Metalúrgicos da Renault/Horse dão 72hs para retomar negociações

Movimento sindical leva propostas de ajuda ao RS no Conselhão
Força 17 MAI 2024

Movimento sindical leva propostas de ajuda ao RS no Conselhão

Sintraf Petrolina celebra aniversário de dez anos com grande evento, nesta sexta (17)
Força 17 MAI 2024

Sintraf Petrolina celebra aniversário de dez anos com grande evento, nesta sexta (17)

SinSaúdeSP realiza homenagem aos “heróis da saúde”
Força 16 MAI 2024

SinSaúdeSP realiza homenagem aos “heróis da saúde”

Sindieventos Bahia participa de debate sobre trabalho na cultura
Força 16 MAI 2024

Sindieventos Bahia participa de debate sobre trabalho na cultura

SINPOSPETRO-RJ oferece tratamento ambulatorial de qualidade aos associados
Força 16 MAI 2024

SINPOSPETRO-RJ oferece tratamento ambulatorial de qualidade aos associados

Cabeça de bacalhau
Artigos 16 MAI 2024

Cabeça de bacalhau

Metalúrgicos da Ferrolene aprovam ação solidária ao povo do RS
Força 16 MAI 2024

Metalúrgicos da Ferrolene aprovam ação solidária ao povo do RS

Ferrolene: trabalhadores e empresa unidos em solidariedade ao povo do RS
Força 16 MAI 2024

Ferrolene: trabalhadores e empresa unidos em solidariedade ao povo do RS

Sindicato dos Metalúrgicos de SP e Força Sindical enviam água para o RS
Força 15 MAI 2024

Sindicato dos Metalúrgicos de SP e Força Sindical enviam água para o RS

Sindnapi auxilia idosos desabrigados no RS
Força 15 MAI 2024

Sindnapi auxilia idosos desabrigados no RS

Sindnapi ouve pré-candidatos a vereadores e prefeito
Força 15 MAI 2024

Sindnapi ouve pré-candidatos a vereadores e prefeito

Apoio à greve dos trabalhadores da Renault\Horse
Força 15 MAI 2024

Apoio à greve dos trabalhadores da Renault\Horse

Calamidade no RS: sindicalismo solidário!
Força 15 MAI 2024

Calamidade no RS: sindicalismo solidário!

Sindicalistas e Marinho debatem ações para ajudar o RS
Força 15 MAI 2024

Sindicalistas e Marinho debatem ações para ajudar o RS

Direto de Brasília!
Força 15 MAI 2024

Direto de Brasília!

Metalúrgicos da Ferrolene fazem ato nesta quarta (15)
Força 15 MAI 2024

Metalúrgicos da Ferrolene fazem ato nesta quarta (15)

Calamidade no RS: veja propostas das centrais sindicais entregues ao Ministro Marinho
Força 15 MAI 2024

Calamidade no RS: veja propostas das centrais sindicais entregues ao Ministro Marinho

Sindicalistas se reúnem com Senador Alcolumbre
Força 15 MAI 2024

Sindicalistas se reúnem com Senador Alcolumbre

Tabela de salários do município do RJ é distribuída nos postos
Força 15 MAI 2024

Tabela de salários do município do RJ é distribuída nos postos

Porto de Santos e região poderão ter mais auditores fiscais do trabalho
Força 14 MAI 2024

Porto de Santos e região poderão ter mais auditores fiscais do trabalho

Novas delegadas de fábrica do SMC são empossadas
Força 14 MAI 2024

Novas delegadas de fábrica do SMC são empossadas

Sindicalistas debatem fortalecimento sindical com liderança do PSD
Força 14 MAI 2024

Sindicalistas debatem fortalecimento sindical com liderança do PSD

Ônibus vazio no 6º dia de greve na Renault
Força 14 MAI 2024

Ônibus vazio no 6º dia de greve na Renault

Refeições Coletivas SP se mobiliza para ajudar população do RS
Força 14 MAI 2024

Refeições Coletivas SP se mobiliza para ajudar população do RS

Trabalhadores da Construção Civil SP conquistam aumento real
Força 14 MAI 2024

Trabalhadores da Construção Civil SP conquistam aumento real

MTE é parceiro estratégico do Pacto Global da ONU – Rede Brasil
Imprensa 14 MAI 2024

MTE é parceiro estratégico do Pacto Global da ONU – Rede Brasil

Borracheiros SP entregam doações às vitimas das chuvas no RS
Força 13 MAI 2024

Borracheiros SP entregam doações às vitimas das chuvas no RS

Aguarde! Carregando mais artigos...