Menu

Mapa do site

Emissão de boleto

Nacional São Paulo

Emissão de boleto

Nacional São Paulo
16 ABR 2024

Imagem do dia

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário Na manhã desta terça-feira (16) dezenas de lideranças sindicais fizeram uma panfletagem para iniciar a divulgação da celebração do Dia do Trabalhador – 1º de Maio Unificado das Centrais Sindicais foi realizado, no Largo da Concórdia (Estação de Trem do Brás), em São Paulo SP. O evento, este ano, será realizado no Estacionamento da NeoQuímica Arena (Itaquerão – estádio do Corinthians), na Zona Leste da capital paulista, a partir das 10 horas. O 1º de Maio Unitário é organizado pelas centrais sindicais:

  • Central Única dos Trabalhadores (CUT);
  • Força Sindical;
  • União Geral dos Trabalhadores (UGT);
  • Central de Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB);
  • Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST);
  • Central de Sindicatos do Brasil (CSB);
  • Intersindical – Central da Classe Trabalhadora e
  • Pública – Central do Servidor
Este ano, o lema do 1º de Maio Unificado será “Por um Brasil mais Justo” e vai destacar emprego decente; correção da tabela do Imposto de Renda, juros mais baixos, aposentadoria digna, salário igual para trabalho igual e valorização do serviço público.

Imagem do dia - Força Sindical

Enviar link da notícia por e-mail

Direitos Humanos e Cidadania

São Paulo (SP): Secretaria de Direitos Humanos debaterá seu papel na sociedade

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Direitos Humanos e Cidadania

São Paulo (SP): Secretaria de Direitos Humanos debaterá seu papel na sociedade

A Secretaria Nacional dos Direitos Humanos e Cidadania realizará no dia 25 de fevereiro, a partir das 9 horas, no 8º andar da Força Sindical para discutir o papel que desempenhará em relação sociedade e os seus principais eixos de atuação em conjunto com as demais secretarias da Força.

Leia a proposta que será debatida no encontro:

 

 

PROPOSTA DE PLANO DE TRABALHO DA SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS DA FORÇA SINDICAL

 

 

Ø Com a compreensão de que os Direitos Humanos constituem condição para a prevalência da dignidade humana, e que devem ser promovidos e protegidos por meio do esforço conjunto do Estado e da sociedade civil e que o movimento sindical é o setor que mais tem lutado para promover esses direitos e consolidá-los em forma de políticas públicas;

 

Ø Tendo em vista que o Governo lançou o Plano Nacional de Direitos Humanos – 3 (PNDH-3), com a finalidade de dar continuidade à integração e ao aprimoramento dos mecanismos de participação existentes, bem como criar novos meios de construção e monitoramento das políticas públicas sobre Direitos Humanos no Brasil;

 

Ø Considerando que, no âmbito institucional, o PNDH-3 amplia as conquistas na área dos direitos e garantias fundamentais, pois internaliza a diretriz segundo a qual a primazia dos Direitos Humanos constitui princípio transversal a ser considerado em todas as políticas públicas;

 

Ø Observando que o PNDH-3 é composto de 6 Eixos Orientadores, com as seguintes Diretrizes, com seus respectivos Objetivos Estratégicos:

 

I – Eixo Orientador I: Interação democrática entre Estado e sociedade civil:

a) Diretriz 1: Interação democrática entre Estado e sociedade civil como instrumento de fortalecimento da democracia participativa;

b) Diretriz 2: Fortalecimento dos Direitos Humanos como instrumento transversal das políticas públicas e de interação democrática; e

c) Diretriz 3: Integração e ampliação dos sistemas de informações em Direitos Humanos e construção de mecanismos de avaliação e monitoramento de sua efetivação;

II – Eixo Orientador II: Desenvolvimento e Direitos Humanos:

a) Diretriz 4: Efetivação de modelo de desenvolvimento sustentável, com inclusão social e econômica, ambientalmente equilibrado e tecnologicamente responsável, cultural e regionalmente diverso, participativo e não discriminatório;

b) Diretriz 5: Valorização da pessoa humana como sujeito central do processo de desenvolvimento; e

c) Diretriz 6: Promover e proteger os direitos ambientais como Direitos Humanos, incluindo as gerações futuras como sujeitos de direitos;

III – Eixo Orientador III: Universalizar direitos em um contexto de desigualdades:

a) Diretriz 7: Garantia dos Direitos Humanos de forma universal, indivisível e interdependente, assegurando a cidadania plena;

b) Diretriz 8: Promoção dos direitos de crianças e adolescentes para o seu desenvolvimento integral, de forma não discriminatória, assegurando seu direito de opinião e participação;

c) Diretriz 9: Combate às desigualdades estruturais; e

d) Diretriz 10: Garantia da igualdade na diversidade;

IV – Eixo Orientador IV: Segurança Pública, Acesso à Justiça e Combate à Violência:

a) Diretriz 11: Democratização e modernização do sistema de segurança pública;

b) Diretriz 12: Transparência e participação popular no sistema de segurança pública e justiça criminal;

c) Diretriz 13: Prevenção da violência e da criminalidade e profissionalização da investigação de atos criminosos;

d) Diretriz 14: Combate à violência institucional, com ênfase na erradicação da tortura e na redução da letalidade policial e carcerária;

e) Diretriz 15: Garantia dos direitos das vítimas de crimes e de proteção das pessoas ameaçadas;

f) Diretriz 16: Modernização da política de execução penal, priorizando a aplicação de penas e medidas alternativas à privação de liberdade e melhoria do sistema penitenciário; e

g) Diretriz 17: Promoção de sistema de justiça mais acessível, ágil e efetivo, para o conhecimento, a garantia e a defesa de direitos;

V – Eixo Orientador V: Educação e Cultura em Direitos Humanos:

a) Diretriz 18: Efetivação das diretrizes e dos princípios da política nacional de educação em Direitos Humanos para fortalecer uma cultura de direitos;

b) Diretriz 19: Fortalecimento dos princípios da democracia e dos Direitos Humanos nos sistemas de educação básica, nas instituições de ensino superior e nas instituições formadoras;

c) Diretriz 20: Reconhecimento da educação não formal como espaço de defesa e promoção dos Direitos Humanos;

d) Diretriz 21: Promoção da Educação em Direitos Humanos no serviço público; e

e) Diretriz 22: Garantia do direito à comunicação democrática e ao acesso à informação para consolidação de uma cultura em Direitos Humanos; e

VI – Eixo Orientador VI: Direito à Memória e à Verdade:

a) Diretriz 23: Reconhecimento da memória e da verdade como Direito Humano da cidadania e dever do Estado;

b) Diretriz 24: Preservação da memória histórica e construção pública da verdade; e

c) Diretriz 25: Modernização da legislação relacionada com promoção do direito à memória e à verdade, fortalecendo a democracia.

 

A FORÇA SINDICAL, como a Central criada para a construção de um sindicalismo cidadão, cujo projeto de desenvolvimento auto-sustentável para o Brasil contempla todos esses objetivos acima e outros, com a perspectiva centrada no ser humano para a elevação da sua condição social, cultural, econômica e espiritual, deve apoiar e acompanhar a implementação desse programa, a começar pela implantação do Conselho Nacional de Direitos Humanos em todos os seus níveis (federal, estaduais e municipais), bem como colaborar na elaboração e consecução de seu Plano de Ação Bi-anual.

 

Nosso objetivo principal é que o modelo de desenvolvimento econômico tenha a preocupação de aperfeiçoar os mecanismos de distribuição de renda e de oportunidades para todos os brasileiros e brasileiras, bem como incorpore os valores de preservação ambiental, como patrimônio para as próximas gerações e que nossos sindicatos filiados, através de seus dirigentes, sejam agentes pró-ativos dessa transformação, atuando em todas as frentes de participação cidadã já criados e criando novas formas de participação e de intervenção nas políticas públicas.

O Papel da Secretaria Nacional de Direitos Humanos e Cidadania

 

Podemos observar que no Decreto 7037/09 que aprova o Programa Nacional de Direitos Humanos – PNDH-3, constam temas específicos do mundo do trabalho, com o qual nos deparamos constantemente, como combate ao trabalho infantil e ao trabalho análogo ao escravo, combate à discriminação e ao assédio moral e sexual e garantia do TRABALHO DECENTE, adequadamente remunerado, exercido em condições de equidade e segurança, embora não trate especificamente do combate às PRÁTICAS ANTISINDICAIS, essencial para a constituição e manutenção dos sindicatos e da ação sindical.

 

As diversas Secretarias Nacionais da Força Sindical já há muitos anos vem atuando nessas frentes, em especial as de Saúde e Segurança, da Mulher, da Criança e Adolescente, Racial, Meio Ambiente, Rural e Agrária, Políticas Públicas, Previdência Social, Educação e Formação, Formação Profissional, Internacional, entre outras, e esta Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania. Muitas interfaces foram criadas entre essas atuações.

 

O grande desafio, ao elevarmos o conceito de Direitos Humanos ao patamar do desenvolvimento humano com sustentabilidade, é coordenar internamente essas ações pelas diferentes secretarias e departamentos, não somente em nível nacional, mas nas estaduais e regionais da Força Sindical, para potencializar nosso trabalho e criar a sinergia necessária para influir nos processos participativos, de modo a gerar políticas públicas eficientes para garantir terra, trabalho, alimentação, educação, saúde, distribuição de renda e proteção da seguridade social para todos os trabalhadores e trabalhadoras do nosso país.

 

Outro item importante a considerar é a ampliação do conceito de trabalho que não deve estar limitado ao emprego formal, ou às categorias de trabalhadores autônomos e avulsos, mas também aos considerados informais, que hoje abrangem quase 50% da população econômica ativa e também o trabalho não remunerado, como os serviços sociais sem fins lucrativos, voluntários e o trabalho de manutenção da vida, ou trabalho doméstico.

 

Internacionalmente os sindicatos têm discutido, com o apoio da Organização Internacional do Trabalho, a forma de organizar esses trabalhadores e incorporar uma parte deles ao mercado formal de trabalho e aos sindicatos e centrais sindicais, o que está sendo chamado de reestruturação sindical, ou ainda de como avançar na universalidade da cobertura da proteção da seguridade social para o conjunto de trabalhadores e trabalhadoras da sociedade, aí incluídos os sem fins lucrativos, voluntários e o trabalho doméstico, seja ele executado por um empregado, seja pela própria família.

 

A FORÇA SINDICAL deveria discutir e elaborar uma política de organização e de inclusão dessas categorias que encontram-se marginalizadas do processo produtivo oficial mas que contribuem com seu trabalho para esse mesmo processo e não contam com as mesmas garantias e a mesma proteção que os demais trabalhadores. A geração de empregos, com a retomada do desenvolvimento pode absorver uma grande parte dessas pessoas, se as políticas públicas de educação e formação profissional, aliadas às medidas assistenciais de emergência forem adotadas. Mas isso não engloba o conjunto dessas pessoas e sempre existirão os trabalhadores por "conta própria" a serem protegidos.

EIXOS DE TRABALHO

 

Para a elaboração de um PLANO DE TRABALHO, com as preocupações e desafios expostos acima, é necessário uma discussão com os principais interessados dentro da Central e a conformação de uma Coordenação Nacional de Direitos Humanos e Cidadania, que propomos seja discutida em uma primeira REUNIÃO, no dia 25 de fevereiro próximo, a partir das 9 horas, na sede da Força Sindical em São Paulo.

 

Essa reunião terá como objetivos:

 

1) Definir as prioridades da Central em termos de Direitos Humanos, de acordo com os temas que já vem sendo desenvolvidos e com os recursos dos quais dispomos;

2) Atualizar as informações sobre as diversas atividades, movimentos e coordenações das quais a Força Sindical vem participando, através de seus dirigentes e sindicatos filiados;

3) Formar uma Coordenação Nacional de Direitos Humanos e Cidadania, que tenha representantes das Secretarias Nacionais interessadas, bem como representantes dos Estados que tenham possibilidade de participar;

4) Desenhar um Plano de Ação que contemple as principais preocupações e atividades nas quais estamos envolvidos, bem como traçar estratégias para participar naquelas onde ainda não estamos atuando de forma coordenada;

5) Distribuir as responsabilidades pelas ações propostas no Plano e definir as formas de acompanhamento e avaliação periódica dessas ações;

6) Elaborar um Calendário dos Direitos Humanos e Cidadania, onde estejam previstas as principais datas nacionais e internacionais relacionadas, bem como as reuniões periódicas da Coordenação;

7) Estabelecer meios de comunicação e informação efetivos entre os membros da Coordenação e entre estes e as diversas Secretarias envolvidas;

8) Criar um canal de informação (que pode ser na página web da Força) para divulgar as ações e atividades relacionadas com os Direitos Humanos e a Cidadania para as bases da Central;

9) Promover atividades de formação em Direitos Humanos, juntamente com a Secretaria Nacional de Formação Sindical, em todo o território nacional;

10) Discutir as participações em colaboração e solidariedade com entidades nacionais e internacionais que tratam de Direitos Humanos.

 

Toda essa proposta e programação, após a sua discussão na reunião, deverá ser submetida ao Secretário Geral, João Carlos Juruna, para que esteja de acordo com as políticas gerais da FORÇA SINDICAL.

 

Contamos com a participação e cooperação de todos aqueles que tem a visão ampla dos DIREITOS HUMANOS como um ideal de sociedade justa, igualitária e fraterna pela qual lutamos toda a nossa vida.

São Paulo, 21 de janeiro de 2010.

RUTH COELHO MONTEIRO

Secretária Nacional de Direitos Humanos e Cidadania

 

 

Fonte: Secretaria Nac.de Direitos Humanos e Cidadania

Últimas de Direitos Humanos e Cidadania

Todas de Direitos Humanos e Cidadania
86,1% dos reajuste salarias tiveram ganho real no primeiro trimestre
Força 19 ABR 2024

86,1% dos reajuste salarias tiveram ganho real no primeiro trimestre

Vídeos 19 ABR 2024

Presidente da Força intensifica luta para fortalecer movimento sindical

Em Brasília, sindicalistas debatem necessidades do setor elétrico nacional
Força 19 ABR 2024

Em Brasília, sindicalistas debatem necessidades do setor elétrico nacional

Eusébio Neto representa trabalhadores no Conselho do SENAC
Força 19 ABR 2024

Eusébio Neto representa trabalhadores no Conselho do SENAC

Sintrabor: Prometeon dificulta a antecipação de acordos coletivos
Força 19 ABR 2024

Sintrabor: Prometeon dificulta a antecipação de acordos coletivos

Projeção de AFT para SP é reduzida; “não vamos abrir mão do contingente”, diz Cissor
Força 19 ABR 2024

Projeção de AFT para SP é reduzida; “não vamos abrir mão do contingente”, diz Cissor

Sindsaúde na posse do Conselho Federal de Enfermagem
Força 19 ABR 2024

Sindsaúde na posse do Conselho Federal de Enfermagem

Frentistas do Rio conquistam aumento de 7,3%
Força 18 ABR 2024

Frentistas do Rio conquistam aumento de 7,3%

Servidores públicos debatem financiamento sindical
Força 18 ABR 2024

Servidores públicos debatem financiamento sindical

Mobilização dos Portuários de Santos nesta quinta-feira (18)
Força 18 ABR 2024

Mobilização dos Portuários de Santos nesta quinta-feira (18)

Seminário promove debate sobre o combate ao assédio eleitoral no trabalho
Força 18 ABR 2024

Seminário promove debate sobre o combate ao assédio eleitoral no trabalho

Miguel e Chicão debatem fortalecimento da negociação coletiva
Força 18 ABR 2024

Miguel e Chicão debatem fortalecimento da negociação coletiva

Prevenção de Acidentes do Trabalho: lançada a CANPAT 2024
Saúde e Segurança 18 ABR 2024

Prevenção de Acidentes do Trabalho: lançada a CANPAT 2024

Luiz Marinho e deputado Gastão recebem centrais sindicais
Força 18 ABR 2024

Luiz Marinho e deputado Gastão recebem centrais sindicais

Articulação para atualização do movimento sindical segue em Brasília
Força 18 ABR 2024

Articulação para atualização do movimento sindical segue em Brasília

Dia do Motociclista Profissional em debate no Senado Federal
Força 17 ABR 2024

Dia do Motociclista Profissional em debate no Senado Federal

Sindicalistas debatem temas relacionados à previdência propostos no GT do Setor Químico
Força 17 ABR 2024

Sindicalistas debatem temas relacionados à previdência propostos no GT do Setor Químico

Lideranças da Força Sindical se reúnem com delegação chinesa da ACFTU
Força 17 ABR 2024

Lideranças da Força Sindical se reúnem com delegação chinesa da ACFTU

Após conquistas, Sintrabor exalta organização nos locais de trabalho
Força 17 ABR 2024

Após conquistas, Sintrabor exalta organização nos locais de trabalho

Terceirizada some e unidade de Saúde em Guarulhos fica sem limpeza
Força 17 ABR 2024

Terceirizada some e unidade de Saúde em Guarulhos fica sem limpeza

Reunião do presidente Miguel e assessor jurídico da CNTM
Força 17 ABR 2024

Reunião do presidente Miguel e assessor jurídico da CNTM

Sindnapi reforça divulgação do 1º de Maio Unificado
Força 17 ABR 2024

Sindnapi reforça divulgação do 1º de Maio Unificado

Por que regulamentar a relação entre motoristas de veículos 4 rodas e empresas de aplicativos?
Força 17 ABR 2024

Por que regulamentar a relação entre motoristas de veículos 4 rodas e empresas de aplicativos?

Liberdade sindical sob a ótica dos atos antissindicais em debate
Força 16 ABR 2024

Liberdade sindical sob a ótica dos atos antissindicais em debate

Hoteleiros de Goiás debatem fortalecimento do movimento sindical
Força 16 ABR 2024

Hoteleiros de Goiás debatem fortalecimento do movimento sindical

Ato e Canto pela Vida será domingo (28); confira programação
Força 16 ABR 2024

Ato e Canto pela Vida será domingo (28); confira programação

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário
Imagem do dia 16 ABR 2024

Veja fotos do Lançamento do 1º de Maio Unitário

Portuários fazem mobilização no Porto de Santos, nesta quinta (18)
Força 16 ABR 2024

Portuários fazem mobilização no Porto de Santos, nesta quinta (18)

Faça a sua inscrição e participe do 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical
Força 16 ABR 2024

Faça a sua inscrição e participe do 8⁰ Congresso Internacional de Direito Sindical

Presidente Miguel Torres ressalta importância do Intercâmbio Sindical Brasil e China
Força 16 ABR 2024

Presidente Miguel Torres ressalta importância do Intercâmbio Sindical Brasil e China

Aguarde! Carregando mais artigos...